Extraídas Impressões Impressas

 


Ele fecha os olhos às dores de fora,

cantarola por dentro o abandono do desaconchego

como quem cansa da solidão vazia dos pares variantes

e busca no deus de si o que o identifique.

Ele quer beber do vinho, criar uma história nova,

pescar a calma de se achar em um par de olhos.

Ele é caça de palavras no labirinto dos riscos,

vive em rabiscos do que gostaria de dizer

e distraído acabará se inscrevendo a palavra coragem.

Assim, depois de despreender-se dos passos percorridos,

em seu silêncio sonoro algo despertará seus olhos,

bem ali a frente, no mesmo momento,

ela abrindo os olhos feito paz florindo. 



Impresso por-em Cris Ebecken As 15:30:20
[ ]


Amanheceu leve feito passarinho. Diferente da ressaca prevista em frio debaixo das cobertas. Havia um calor de paz acordando com o céu azul. Foi assim de leveza fazer o café para o primeiro sabor do dia. Na espera do tempo da cafeteira, regava as plantas. Fitou em silêncio o que cuidava, e se identificou de tal forma com aquilo que uma compreensão doce tomou tudo a volta. Renascer é volver a terra de si, retirar as folhas secas, fazer aguar sobre as raízes, e deixar ao tempo a surpresa brotante.



Impresso por-em Cris Ebecken As 12:42:13
[ ]


 Carol sentou-se a minha frente na nossa mesa de costume. O olhos verdes voltados ao mar. A tagarelice alegre de quem vai fazendo a vida com graça. Rimos feito crianças dos absurdos do dia-a-dia. Rimos ainda mais feito crianças tentando falar em muitas línguas. Dri há tempos nos apelidou com estações. Carol, primavera. Eu, verão. Jamais arriscamos dar à Dri uma estação. Mais nova eu lhe cantava Leaozinho, hoje eu ousaria tempo e transformação. Talvez por isso Dri tenha tido a sabedoria divertida nos apelidos. E talvez por isso quando as três se encontram a vida aparece com novos sentidos. Carol nem imagina o quanto me revigora. Dri jamais suporia o quanto me sincroniza. Eu, assim, ensolaro. E fico sempre com essa impressão luminosa de que a vida encontra e faz na beleza a união.



Impresso por-em Cris Ebecken As 17:37:56
[ ]


Era um pouco mais de meia dúzia de amigos sentados naquela mesa entre tantas bebidas circulantes. Começaram sóbrios de boca cheia atualizando uns aos outros sobre o que vinham fazendo da vida. Uma passarela, um desfile... a velha moda da grama do vizinho. A forma do discurso cristalizada no habitual de cada. Como o tempo não tarda, nem falha, nem mascara, evoluíram trôpegos. Trôpegos podiam abrir seus queixumes, questionar aquilo que construíram, lastimar pelo o que não mudaram. E como habitual das formas cristalizadas, invocavam o passado, fadavam presente e futuro. Por alguma luz tudo aquilo embrulhou o estômago de alguém, que disse aos outros precisar tomar um ar. Saiu de dentro do bar, deu uma caminhada pela vista de toda uma orla. Em algum ponto debruçou-se no muro para sentir melhor a brisa do mar. Bem ali se encontrava pixada na pedra a palavra liberdade. Pena que ninguém viu.



Impresso por-em Cris Ebecken As 17:16:53
[ ]


 Se a vida é uma só e tudo que temos é o tempo presente, melhor não dar nó nos sentimentos. Meu palpite pulsante quanto ao hoje, é que o que mais vale é costurar trançando a linha da vivência com o coração. Tudo de possível está sempre em nossas mãos, convém não se sabotar, ser honesto consigo e suas querências... permitir-se é ir de encontro.



Impresso por-em Cris Ebecken As 12:23:45
[ ]


Ele em um movimento suave e imperceptível passou o braço pela sua cintura. O fez com a maior naturalidade, na frente do mundo, como se já estivessem habituados com esse lado a lado. Sim, até já se conheciam, mas se encontraram ali justamente para se conhecer mais um pouco. Ela, depois de umas cervejas, sentindo a mão dele, teve um devaneio engraçado: guarda-chuva. Já era um dia frio de inverno, embora em si não chuvoso, a brisa marítma causava uma paisagem solitária na retina. Os dois que ali se descobriam transmutavam o cenário, havia um gosto quente envolvendo. Era como se ela, depois de caminhos sob gotas acirradas, fosse puxada para debaixo de um guarda-chuva com um sorriso.



Impresso por-em Cris Ebecken As 12:08:08
[ ]


O amor das vitrines dos namorados

é só manequim e formato,

mercado de relações.

Vale mais descobrir o que encaixa

na troca, no tato,

na química e através dos olhares,

arrepiando a nuca das próprias estações.



Impresso por-em Cris Ebecken As 11:59:33
[ ]


-Desculpa minhas imprevisibilidades.

-Eu também tenho as minhas, mas é que você...

-Olha, são só umas panes que às vezes dão aqui dentro.

-Panes... você vem, vem leve, parecendo aberta...

-Eu sei, eu sei...

-E de repente parece que não tá aqui, ou de repente lida com tudo feito uma geleira.

-Mas é que...

-Espera, ouve. A minha pane é não conseguir falar, e eu tô aqui conseguindo.

-ok.

-A sua liberdade pra viver é linda, eu posso sentir você. Não sei e nem quero saber o que você já viveu, já saquei que o problema tá aí. E também já saquei a força que você tem pra tentar largar isso. Eu sei o que é isso. E quem tá na sua frente agora sou eu, e bem que você poderia tentar não me afastar, porque eu tô tendo uma coragem que eu nunca tive em mim, porque com você eu tenho a sensação de que tudo vale.

-Me abraça, vai...



Impresso por-em Cris Ebecken As 11:40:56
[ ]


Outro dia ouvi uma história de uma pessoa que de tanto se perder buscou perder tudo que não lhe dizia com sentimento. Se isso é algum tipo de coragem eu não sei, apenas compreendo como um impulso maior, uma tentativa de encontro consigo. Pois bem... de acordo com o narrado, anos foram caminhados e percursos tateados, o que pode ser chamado vulgarmente por aí de amadurecimento. Porque, sim, a personagem dessa história, embora caracterizada pela natural distração, parece ter no somatório aprendido a não ser displicente consigo. A partir desse somatório, pôs-se a permitir subtrações do que não lhe vinha com olhos verdadeiros, e em algum ponto nada pré-determinado aceitou que verdadeiro é das concepções mais subjetivas que existem. Resolveu, então, fazer uma equação pessoal com a concepção de respeito. De repente viu-se gestando um mundo em si e se aventurando em pontes com mundos outros. Esse foi o momento da revelação: como livro, a vida é narrada de dentro e lançada para fora, as páginas em branco podem ser as melhores construções do agora. Eis a concepção de livre de quem me contara a história, a própria personagem...



Impresso por-em Cris Ebecken As 13:12:41
[ ]


[ ver impressões anteriores ]
 
Impressões Anteriores
01/04/2008 a 30/04/2008
01/03/2008 a 31/03/2008
01/02/2008 a 29/02/2008
01/01/2008 a 31/01/2008
01/12/2007 a 31/12/2007
01/11/2007 a 30/11/2007
01/10/2007 a 31/10/2007
01/09/2007 a 30/09/2007
01/08/2007 a 31/08/2007
01/07/2007 a 31/07/2007
01/06/2007 a 30/06/2007
01/05/2007 a 31/05/2007
01/04/2007 a 30/04/2007
01/03/2007 a 31/03/2007
01/02/2007 a 28/02/2007
01/01/2007 a 31/01/2007
01/12/2006 a 31/12/2006
01/11/2006 a 30/11/2006
01/10/2006 a 31/10/2006
01/09/2006 a 30/09/2006
01/08/2006 a 31/08/2006
01/07/2006 a 31/07/2006
01/06/2006 a 30/06/2006
01/05/2006 a 31/05/2006
01/04/2006 a 30/04/2006




Vizinhos Impressos
 Pela Estrada
 Sonhos do Mundo
 Sophia Lírica
 EduMMF
 Quem Sou Essa
 Outros Lados
 Outra Parte
 Os olhares de Tati
 Dançando na chuva...
 A vida não tem...
 Nandita
 Das coisas que...
 Coisas Que Somos
 Por Dentro
 Perto do Coração
 Pseudônimos
 Expressões Letradas
 Mais Cenas
 Afrodite sem Olimpo
 Crônica do Dia
 O Pátio
 Doce Rotina
 Amargando Felicidade
 Dias de Voragem
 Germina Literatura
 Palavra de Pantera
 Zoe Tarot
 Vadiando
 Arte Reflexa
 Via Tarot
 Pitacos
 Feminino Plural
 Super Diário da Mari
 Versos de Falópio
 CabocloPunk
 Sachet de Idéias
 Cartas Fao
 Releituras
 Escola Lucinda
 Poesia Mix
 M-Musica
 Sonekka
 Glad
 Camenietzki
 Chicas
 Ceumar
 O Teatro Mágico